Agricultura familiar na pós-graduação no Brasil e na Universidade Federal do Pará (UFPA)

Gutemberg Armando Diniz Guerra, Maria de Nazaré Angelo-Menezes

Resumo


O ensino da Agronomia no Brasil remonta ao século XIX, atendendo à necessidade da modernização do setor produtivo rural, até então reconhecido eficiente tendo como modelo as plantations de cana-de-açúcar, café, algodão, cacau e a pecuária extensiva. As disputas pelo acesso à terra como componente fundamental no processo de democratização do país em todos os seus períodos históricos, o crescimento recente do ambientalismo no mundo e a crítica ao modelo de desenvolvimento calcado no uso intensivo de capital projetaram, por contraste, a agricultura familiar como uma categoria política que deveria ser contemplada nas reflexões acadêmicas brasileiras e internacionais. Em que pese este reconhecimento, os Programas de Pós-graduação em Ciências Agrárias no país continuam disciplinares, predominantemente fundamentados em princípios que valorizam tecnologias intensivas em capital e, contraditoriamente, supõem a neutralidade do conhecimento cientifico e tecnológico. Este artigo apresenta um levantamento sobre os cursos de pósgraduação em que a agricultura familiar é contemplada e projeta o Mestrado em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável da Universidade Federal do Pará (UFPA) como exercício que merece um olhar específico, por sua ligação com os movimentos sociais e sua perspectiva ecológica.


Palavras-chave


Agricultura familiar. Ensino Superior. Ciência.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2007.v4.120