Políticas públicas de pós-graduação no estado de São Paulo: uma análise dos cursos de Engenharia Elétrica reconhecidos pela Capes

Daniel Tonelo, Marcos Vinicius Pó, Sidney Jard da Silva

Resumo


Este artigo analisa os cursos de pós-graduação stricto sensu na área de Engenharia Elétrica no estado de São Paulo entre 2002 e 2014. A pesquisa descritiva e exploratória utiliza a base de dados da Capes – GeoCapes – para construir conhecimentos sobre a quantidade de alunos titulados nas universidades paulistas, verificar a participação de cada uma destas na formação de profissionais e analisar comparativamente os resultados, considerando a distribuição geográfica das instituições. Assim, identifica-se o cenário de atuação da política pública educacional de formação na pós-graduação, além de fazer uma breve contextualização das dificuldades de capacitação no segmento. Conclui-se que o número de programas aumentou no período, com preponderância das três universidades estaduais na formação de estudantes de mestrado e doutorado na área, porém com uma distribuição concentrada em poucas cidades e regiões administrativas.


Palavras-chave


Capes. Estado de São Paulo. Engenharia Elétrica. Política de Ensino Superior. Pós-Graduação.

Texto completo:

PDF

Referências


CANO, W. A desindustrialização no Brasil. Texto para Discussão. IE/Unicamp, Campinas, n. 200, jan. 2012.

CANO, W.; SILVA, A. L. G. Política industrial do governo Lula. Texto para Discussão. IE/Unicamp, Campinas, n. 181, jul. 2010.

CIRANI, C. B. S.; CAMPANARIO, M. A.; SILVA, H. H. M. A evolução do ensino da pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 20, n. 1, p. 163-187, mar. 2015.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Plano Nacional de Pós-Graduação: PNPG 2011-2020. Brasília, DF: Capes, 2010.

______. Documento de área 2013: Engenharias IV. Brasília, DF: Capes, 2013.

FARIA, C. A. P. Uma genealogia das teorias e tipologias do Estado de bem-estar social. In: DELGADO, M. G.; PORTO, L. V. (Org.). O estado de bem-estar social no século XXI. São Paulo: LTR, 2007.

PECK, J.; THEODORE, N.; BRENNER, N. Mal-estar no pós-neoliberalismo. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 92, p. 59-78, mar. 2012.

SARTI, F.; HIRATUKA, C. Desenvolvimento industrial no Brasil: oportunidades e desafios futuros. Texto para Discussão. IE/Unicamp, Campinas, n. 187, jan. 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1289