Colaboração científica e produtividade na pós-graduação em Sociologia e Ciências Sociais no Brasil

Velcimiro Inácio Maia

Resumo


Este estudo descreve a evolução da coesão social e da produtividade científica na área da Sociologia e das Ciências Sociais no Brasil por meio das redes de coautoria científica do corpo docente atuante na pós-graduação durante dois triênios. A pesquisa do tipo descritiva e explicativa utiliza como fonte de dados os currículos disponíveis na Plataforma Lattes do CNPq e os Cadernos de Indicadores da Capes. As relações de coautoria foram identificadas com o uso de uma ferramenta de mineração de dados e as redes foram analisadas com o auxílio de softwares de análise de redes sociais. Conclui-se que a área aumentou em tamanho, coesão social e produtividade e que os programas de pós-graduação com maior diversidade de laços se mostraram mais produtivos. Os resultados contribuem para a compreensão das interações interinstitucionais no campo, fornecendo subsídios para os atores envolvidos.


Palavras-chave


Análise de Redes Sociais. Colaboração Científica. Produtividade Científica.

Texto completo:

PDF

Referências


BLONDEL, V. D. et al. Fast unfolding of communities in large networks. Journal of Statistical Mechanics: Theory and Experiment, New York, v. 2, p. 1-12, 2008.

BOURDIEU, P. Le capital social. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, Paris, v. 31, n. 1, p. 2-3, 1980.

BURT, R. S. Structural holes: the social structure of competition. Cambridge (MA): Harvard University Press, 1992.

______. Structural holes versus network closure as social capital. In: LIN, N.; COOK, K.; BURT, R. S. (Ed.). Social capital: theory and research. New York: Aldine de Gruyter, 2001. p. 31-56.COLEMAN, J. S. Social Capital in the creation of human capital. The American Journal of Sociology, Chicago, v. 94, p. S95-S120, 1988.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. Relatório de Avaliação Trienal 2010. 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2015.

______. Relatório de Avaliação Trienal 2013. 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2015.

CRANE, D. Invisible colleges: diffusion of knowledge in scientific communities. Chicago: The University of Chicago Press, 1972.

FREEMAN L. C. A set of measures of centrality based on betweenness. Sociometry, Ann Arbor, v. 40, n. 1, p. 35-41, 1977.

______. Centrality in social networks: conceptual clarification. Social Networks, Amsterdam, v. 1, n. 3, p. 215-239, 1979.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, Chicago, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

______. The strength of weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, Thousand Oaks, v. 1, p. 201-233, 1983.

______.The impact of social structure on economic outcomes. Journal of Economic Perspectives, Nashville, v. 19, n. 1, p. 33-50, 2005.

LAMBIOTTE, R.; DELVENNE, J. C.; BARAHONA, M. Laplacian Dynamics and Multiscale Modular Structure in Networks. Physics and Society, New York, v. 3, p. 1-29, 2009.

LEMIEUX, V.; OUIMET, M. Análise estrutural das redes sociais. 2. ed. Lisboa: Epistemologia e Sociedade, 2012.

MENA-CHALCO, J. P.; CESAR JUNIOR, R. M. ScriptLattes: an open-source knowledge extraction system from the lattes platform. Journal of the Brazilian Computer Society, Porto Alegre, v. 15, n. 4, p. 31-39, 2009.

MORAES, A. C. (Org.). Sociologia. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2011. v. 15. (Coleção Explorando o Ensino).

PINTO, M. C. O. B. S.; MORAIS, M. J.; LIMA, J. C. (Org.). Processos de territorialização e identidades sociais. São Carlos: Rima, 2012. v. 2.

PRICE, D. J. S. Science since Babylon. New Haven: Yale University Press, 1961.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1291