Experiência docente no ensino da disciplina de metodologia da pesquisa qualitativa na pós-graduação

Vera Lúcia Mendes de Paula Pessoa, Maria do Socorro de Sousa, Márcia Maria Tavares Machado

Resumo


O trabalho, ora apresentado, traz como objetivo a descrição da experiência da inserção de professoras em estágio pós-doutoral na disciplina de métodos e técnicas em pesquisa qualitativa em um programa de pós-graduação em Saúde Coletiva. A relevância de tal empreitada decorre do fato de que, diferentemente da metodologia quantitativa, a abordagem qualitativa não tem sido, ainda, uma opção de primeira escolha nas ciências da saúde para exploração de questões advindas da realidade. A experiência evidencia as aprendizagens das docentes, quando acolhem o conhecimento prévio do estudante, valorizam os relatos de experiências de pesquisa e proporcionam um exercício prático de técnica. Ao término dessa construção, constata-se que o repensar de práticas pedagógicas fez a criatividade e inventividade se tornarem presente na práxis docente.


Palavras-chave


Experiência. Pesquisa Qualitativa. Pós-Graduação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. (Org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 6. ed. Joinville: Univille, 2010.

BARATA, R. B.; SANTOS, R. V. Ensino de pós-graduação em Saúde Coletiva: situação atual e desafios para o futuro. RBPG, Brasília, DF, v. 10, n. 19, p. 159-183, 2013.

BARBOSA, M. I. S. O vínculo na atenção primária do Sistema Único de Saúde do Brasil. 2015. 413 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

BASSORA, J. B.; CAMPOS, C. J. G. Metodologia clínico-qualitativa na produção científica no campo da saúde e ciências humanas: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, v. 12, n. 4, p. 753-760, 2010. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2017.

BATISTA, N. A.; SILVA, S. H. S. O professor de Medicina. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

BATISTA, N. A. et al. A abordagem qualitativa na pesquisa em educação médica: investigação qualitativa em saúde. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 2016, Barcelona. Anais… Barcelona, 2016. v. 2, p. 912-920.

BENJUMEA, C. C. The quality of qualitative research: from evaluation to attainment. Texto & Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 883-890, 2015.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, 2002.

BOSI, M. L. M. Pesquisa qualitativa em saúde coletiva: panorama e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 575-586, 2012.

______. Formar pesquisadores qualitativos em saúde sob o regime produtivista: compartilhando inquietações. Revista Facultad Nacional de Salud Pública, Medellin, v. 33, p. S30-37, 2015. Suplemento.

BOSI, M. L. M.; MACEDO, M. A. Anotações sobre a análise crítica de discurso em pesquisas qualitativas no campo da saúde. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 14, n. 4, p. 423-432, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2017.

BRITO-SILVA, K. et al. Integralidade no cuidado ao câncer do colo do útero: avaliação do acesso. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 240-248, 2014.

CARVALHO, J. S. F. A crise na educação como crise da modernidade. In: AQUINO, J. G.; REGO, T. C. (Org.). Hannah Arendt pensa a educação: a educação em tempos sombrios. São Paulo: Segmento, 2014, Edição Kindle. posição 280-534.

CONTRERAS, J.; LARA, N. P. Investigar la experiencia educativa. Madrid: Morata, 2010.

CORREIA, A. O pensamento pode evitar o mal? In: AQUINO, J. G.; REGO, T. C. (Org.). Hannah Arendt pensa a educação: a educação em tempos sombrios. São Paulo: Segmento, 2014, Edição Kindle. posição 947-1163.

DOMINGO, J. C. El saber de la experiencia en la formación inicial del profesorado. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, Barcelona, v. 78, n. 27, p. 125-136, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Cortez, 1996.

GANDIN, D. Planejamento como prática educativa. São Paulo: Loyola, 2005.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília, DF: Liber Livro, 2012.

HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

JOSSO, M. C. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

LANDY, R. et al. Educational strategies to enhance reflexivity among clinicians and health professional students: a scoping study. Forum: Qualitative Social Research Sozialforschung, Berlin, v. 17, n. 3, sept. 2016.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MAGALHÃES, A. M. M.; DALL’AGNOL, C. M.; MARCK, P. B. Carga de trabalho da equipe de enfermagem e segurança do paciente-estudo com método misto na abordagem ecológica restaurativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, p. 1-9, jan./fev. 2013. Número especial.

MAGALHÃES, R. C. B. et al. Formação docente na pós-graduação stricto sensu: experiências na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 13, n. 31, p. 559-582, 2016.

MASETTO, M. Inovação no ensino superior. São Paulo: Loyola, 2012.

MC-CALLUM, C.; MENEZES, G.; REIS, A. P. O dilema de uma prática: experiência de aborto em uma maternidade pública de Salvador, Bahia. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 37-56, 2016.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

______. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? São Paulo: Cortez, 1997.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G.; LIMA, S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SILVA, M. R. F. Linhas de cristalização e de fuga nas trilhas da Estratégia Saúde da Família: uma cartografia da micropolítica. 2012. 200 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

SOUSA, M. H. et al. Preenchimento da notificação compulsória em serviço de saúde que atendem mulheres que sofrem violência sexual. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 94-107, 2015.

SOUSA, M. S. Professor: a subjetividade do ser, do ensinar e do aprender. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

SOUZA, C. T. V.; HORA, D. L. Produção de conhecimento em saúde na pesquisa clínica: contribuições teórico-práticas para a formação do docente. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 11, n. 26, p. 1121-1135, 2014.

TAQUETTE, S. R.; MINAYO, M. C. S. Ensino-aprendizagem da metodologia de pesquisa qualitativa em medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 39, n. 1, p. 60-67, 2015.

TURATO, E. R. Métodos quantitativos e qualitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 507-514, 2005.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

______. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: Artmed, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1295