Metodologia da pesquisa versus pesquisa da metodologia: interfaces da dogmática jurídica na pós-graduação

Elaine Cristina Francisco Volpato

Resumo


Este estudo investiga, em nível de doutoramento, a “cientificidade” do conhecimento gerado em Direito no Brasil. Acolhe, como principal hipótese de pesquisa a questão metodológica mediante a análise das teses de doutoramento selecionadas produzidas nas Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade de São Paulo, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade Federal do Paraná, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Universidade de Brasília e Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, num enfoque empírico e não paramétrico. Além da análise baseada na experiência e na observação, instrumentalizada pelo exame de conteúdo, dados secundários da Plataforma Sucupira foram utilizados para completar um retrato pontual do embate pela eficiência de tais programas, descrevendo qualitativamente a facilidade de acesso ao conhecimento gerado institucionalmente.


Palavras-chave


Epistemologia. Doutorado em Direito. Conhecimento Científico.

Texto completo:

PDF

Referências


ADEODATO, J. M. Bases para uma metodologia da pesquisa em Direito. Revista CEJ, Brasília, DF, v. 7, p. 143-150, jan./abr. 1999.

ATIENZA, M. As razões do Direito: teorias da argumentação jurídica. Tradução de Maria Cristina Guimarães Cupertino. São Paulo: Landy, 2006.

DINIZ, M. H. Compêndio de introdução à ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 1988.

FARIA, J. E. A crise do Judiciário no Brasil: notas para discussão. In: SARLET, I. W. (Org.). Jurisdição e direitos fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006. v. 1. p. 15-48.

FRAGALE FILHO, R.; VERONESE, A. A pesquisa em Direito: diagnósticos e perspectivas. RBPG, Brasília, DF, v. 1, n. 2, p. 53-70, nov. 2004.

GALLAGHER, M. Proportionality, disproportionality and electoral systems. ScienceDirect, Amsterdam, v. 10, p. 33-51, mar. 1991. Disponível em: . Acesso em: fev. 2017.

GODOY, A. S. M. Introdução ao realismo jurídico norte-americano. Brasília, DF: Edição do Autor, 2013.

HESPANHA, A. M. Pluralismo jurídico e direito democrático. São Paulo: Annablume, 2013.

LOPES, M. C. B. Entre a estrutura, a estratégia e o discurso: uma análise das práticas do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR. 2011. 145 f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

MARSHALL, J. Espadas e símbolos: a técnica da soberania. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008. (RT – Textos Fundamentais, v. 11).

NEVES, A. C. Metodologia jurídica: problemas fundamentais. Coimbra: Coimbra Editoria, 1993.

NOBRE, M. et al. O que é a pesquisa em Direito? São Paulo: Quartier Latin, 2005.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

ULEN, T. S. Um Prêmio Nobel para a Ciência Jurídica: teoria, trabalho empírico e o método científico no estudo do direito. In: PORTO, A. M.; SAMPAIO, P. (Org.). Direito e economia em dois mundos: doutrina jurídica e pesquisa empírica. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2014. p. 29-92.

VOLPATO, E. C. F. Entre a artesania e a burocracia: ensaio de análise metodológica da pesquisa jurídica doutoral no Brasil no período de 2000 a 2010. 2015. 178 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1413