Modelos lógicos na avaliação de um mestrado profissional: um exemplo de aplicação

Daniela Borges Lima de Souza, Gardênia da Silva Abbad, Sônia Maria Guedes Gondim

Resumo


O artigo apresenta a aplicação de modelos lógicos na avaliação de um mestrado profissional em desenvolvimento e gestão social, que incluiu diversas etapas, como: descrição dos componentes do programa, representações gráficas do modelo lógico adotado, investigação das hipóteses de relações de causalidade entre os componentes e os resultados do curso. O método incluiu análises documentais e entrevistas. As representações gráficas foram analisadas em conjunto com o conteúdo das manifestações dos participantes durante as entrevistas. Os modelos lógicos facilitam a descrição dos componentes e a identificação de efeitos do programa sobre o desempenho dos egressos e das instituições afetadas.


Palavras-chave


Avaliação de Programas. Modelos Lógicos. Mestrados Profissionais.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2009.

BENALP, N. A theory of causation: causae e causantes (originating causes) as inus conditions in branching space-times. PhilSci Archive, Pittsburg, PA, 2002. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Fazenda. Portaria Interministerial nº 413, de 31 de dezembro de 2002. Define competências dos órgãos responsáveis pela implementação do Programa Nacional de Educação Fiscal – PNEF. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 jan. 2003. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.

______. Ministério da Educação. O modelo lógico do Programa Brasil Alfabetizado (PBA). Brasília: Diretoria de Políticas da Educação de Jovens e Adultos, 2009. 25 slides.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Portaria Normativa/MEC nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017.

______. Ministério da Educação. Brasil Alfabetizado. Brasília, DF, 2012. Disponível em: . Acesso em: jan. 2016.

______. MEC anuncia adoção da modalidade de doutorado profissional. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2017.

CASSIOLATO, M. M. M. C. Modelo lógico e a teoria do programa: uma proposta para organizar avaliação. Desafios do Desenvolvimento, Brasília, DF, v. 7, n. 63, p. 1, 2010.

CIRANI, C. B. S.; CAMPANARIO, M. A.; SILVA, H. H. M. A evolução do ensino de pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 20, n. 1, p. 163-187, 2015.

FERREIRA, H.; CASSIOLATO, M.; GONZALEZ, R. Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do Programa Segundo Tempo. Brasília, DF: Ipea, 2009. (Texto para discussão nº 1.369). Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.

FISCHER, T. et al. Simultaneamente Interdisciplinar e profissional: desafios do Programa de Desenvolvimento e Gestão Social da UFBA. In: PHILIPPI JUNIOR, A.; SILVA NETO, A. J. (Ed.). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri: Manole, 2011. p. 607-628.

KHANDKER, S. R.; KOOLWAL, H. A.; SAMAD, H. A. Handbook on impact evaluation: quantitative methods and practices. Washington, DC: The World Bank, 2010.

KLEIN, K. J.; KOZLOWSKI, S. W. J. Multilevel theory, research and methods in organizations: foundations, extensions and new directions. San Francisco: Jossey-Bass, 2000.

KNIJNIK, J.; TAVARES, O. Educating Copacabana: a critical analysis of the “Second Half”, an Olympic education program of Rio 2016. Educational Review, Abingdon, v. 64, n. 3, p. 353-368, 2012.

KNOWLTON, L. W.; PHILLIPS, C. C. The Logic Model Guidebook: better strategies for great results. Thousand Oaks: Sage, 2009.

LOIZOS, P. Vídeos, filme e fotografias como documentos de pesquisa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 137-155.

MCLAUGHLIN, J. A.; JORDAN, G. Using logic models. In: WHOLEY, J. S.; HATRY, H. P.; NEWCOMER, K. E. Handbook of practical program evaluation. San Francisco: Jossey-Bass, 2010. p. 55-80.

MOURÃO, L.; LAROS, J. A. Avaliação de programas sociais: comparando estratégias de análise de dados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 24, n. 4, p. 545-558, 2008.

NEPOMUCENO, L. D.; COSTA, H. G.; SHIMODA, E. Impacto do mestrado profissional no desempenho dos seus egressos: intercomparação entre as percepções de discentes, docentes, coordenadores e empresa. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 4, p. 817-828, 2010.

NEVES, R. B.; COSTA, H. G. Avaliação de programas de pós-graduação: proposta baseada na integração ELECTRE TRI, SWOT e sistema Capes. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, Niterói, v. 1, n. 3, p. 276-298, 2006.

OWSTON, R. Models and methods for evaluation. In: SPECTOR, M. et al. Handbook of research on educational communications and technology. 3rd ed. Abingdon: Routledge, 2008. p. 605-618.

PAIXÃO, R. B. Avaliação de impacto de mestrados profissionais: contribuições a partir da multidimensionalidade e da negociação. 2012. 325 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

RIBEIRO, N. M.; VINHAES, L. Ficha de Avaliação de MP: reflexões e propostas. Semana Pedagógica do Mestrado de Desenvolvimento e Gestão Social, Salvador, 2012.

ROGERS, P. J. Using programme theory to evaluate complicated and complex aspects of interventions. Evaluation, Thousand Oaks, v. 14, n. 1, p. 29-48, 2008.

SOUSA, E. S. et al. Sistema de monitoramento & avaliação dos programas Esporte e Lazer da Cidade e Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Belo Horizonte: O Lutador, 2010.

SOUZA, D. B. L. Avaliação do impacto de Mestrado Profissional Multidisciplinar em Desenvolvimento e Gestão Social. 2013. 381 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013.

WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Gente, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1429