Ensino de Ciências Ambientais rumo à profissionalização: uma análise cientométrica

Otacílio Antunes Santana, Clodoaldo de Lima, Raquel Bernardo de Melo, Carla Valéria de Miranda Costa Duarte, Susana Carvalho de Souza, Mayara Lopes de Freitas Lima, Izaquiel Doria Aragão, Jarcilene Silva de Almeida Cortez

Resumo


A profissionalização é um processo que implica a construção do fundamento epistemológico sobre a formação de atores envolvidos na produção de determinados serviços e produtos. Partindo dessa perspectiva, este trabalho objetivou resgatar as correntes filosóficas e ações pedagógicas norteadoras do processo de profissionalização do Ensino de Ciências Ambientais, mediante análise cientométrica sobre mais de 60 mil publicações extraídas de bases mundiais de informação e divulgação científica. Os dados obtidos revelaram que as publicações foram dinâmicas ao longo do tempo. A presença ou ausência do “homem na natureza” como forma de ação, e a sistematização de conceitos, direcionaram os caminhos lexicais e metodológicos das novas publicações, dando suporte literário, ao longo tempo, à dinâmica da formação do profissional das Ciências Ambientais.


Palavras-chave


Identidade Profissional. Bibliometria. Produtos Técnicos.

Texto completo:

PDF

Referências


AKAIKE, H. Canonical correlation analysis of time series and the use of an information criterion. Mathematics in Science and Engineering, Amsterdam, v. 126, p. 27-96, 1976. doi: 10.1016/S0076-5392(08)60869-3

AMBROSETTI, N. B.; CALIL, A. M. G. C. Contribuições do Mestrado Profissional em Educação para a formação docente. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, p. 85-104, 2016. doi: 10.17058/rea.v24i3.7526

ARGYRIS, C.; SCHON, D. A. Theory in practice: increasing professional effectiveness. Oxford: Jossey-Bass, 1974.

ASSMANN, J. The mind of Egypt: history and meaning in the time of the pharaohs. Cambridge: Harvard University Press, 2003.

BAGNALL, R. G.; HODGE, S. Using an epistemological perspective to understand competence-based vocational and professional education. In: Mulder, M. (Ed.). Competence-based vocational and professional education: bridging the worlds of work and education. New York: Springer, 2017. p. 125-144.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 maio 1996. Seção 1. p. 8353. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2017.

BOOLE, G. An investigation of the laws of thought: on which are founded the mathematical theories of logic and probabilities. Cork: Dover Publications, 1854. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2017.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo, Cortez. 2004.

CHEN, C. et al. Emerging trends in regenerative medicine: a scientometric analysis in CiteSpace. Expert Opinion on Biological Therapy, London, v. 12, p. 593-608, 2012. doi: 10.1517/14712598.2012.674507

CHEN, C. Science Mapping: A systematic review of the literature. Journal of Data and Information Science, Berlin, v. 2, p. 1-33, 2017. doi: 10.1515/jdis-2017-0006

CHURCHILL JUNIOR, G. A. A paradigm for developing better measures of marketing constructs. Journal of Marketing Research, Birmingham, v. 16, n. 1, p. 64-73, 1979. doi: 10.2307/3150876

COUSO, D. La comunidad de aprendizaje profesional: una propuesta socioconstructivista de desarrollo profesional del profesorado de ciencias naturales. In: PERAFÁN, G. A.; ADÚRIZ-BRAVO, A. (Ed.). Pensamiento y conocimiento de los profesores. Bogotá: Editorial Nomos, 2005. p. 81-100.

DELANEY, D. Making nature/marking humans: law as a site of (cultural) production. Annals of the Association of American Geographers, Hoboken, v. 91, n. 3, p. 487-503, 2001. doi: 10.1111/0004-5608.00255

EPSTEIN, R. M.; HUNDERT, E. M. Defining and assessing professional competence. JAMA, Chicago, v. 287, p. 226-235, 2002. doi: 10.1001/jama.287.2.226

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática pedagógica. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GRANGEAT, M.; GRAY, P. Factors influencing teachers’ professional competence development. Journal of Vocational Education & Training, Abingdon, v. 59, p. 485-501, 2007. doi: 10.1080/13636820701650943

GRANGE, J. On the way towards foundation Ecology. Soundings: An Interdisciplinary Journal, University Park, PA, v. 60, n. 2, p. 135-149, 1977.

ISENBERG, A. C. Environmental history. Oxford: Oxford University Press, 2017.

JAYARAMAN, K. S. “Indian ginseng” brings royalties for tribe. Nature, London, v. 381, n. 6579, p. 182, 1996. doi: 10.1038/381182b0

JICKLING, B.; STERLING, S. (Ed.). Post-sustainability and environmental education: remaking education for the future. London: Palgrave Mcmillan, 2017.

KAUFMAN, R. A. Educational system planning. Ann Arbor: Prentice-Hall, 1972.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2001.

LEYDESDORFF, L. In praise of bibliometrics. Journal of Informetrics, Amsterdam, v. 11, n. 2, p. 595-597, 2017. doi: 10.1016/j.joi.2017.03.002

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 14, n. 2, p. 309-335, 2011. doi: 10.5212/OlharProfr.v.14i2.0007

MACKENZIE, D. The green consumer. Food Policy, Amsterdam, v. 15, n. 6, p. 461-466, 1990. doi: 10.1016/0306-9192(90)90036-Y

MILLER, G. T.; SPOOLMAN, S. E. Ciência ambiental. Rio de Janeiro: Cengage Learning. 2016.

MOREIRA, M. A. O mestrado (profissional) em ensino. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 1, n. 1, p. 131-142, 2004. doi: 10.21713/2358-2332.2004.v1.26

MOREIRA, M. A.; NARDI, R. O mestrado profissional na área de Ensino de Ciências e Matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 2, n. 3, p. 1-9. 2009. doi: 10.3895/S1982-873X2009000300001

MÜLHMANN, J. Messianismes révolutionnaires dans le tiers monde. Paris: Les Éditions de Minuit, 1961.

OSTERMANN, F.; REZENDE, F. Projetos de desenvolvimento e de pesquisa na área de ensino de ciências e matemática: uma reflexão sobre mestrados profissionais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 66-80, 2009. doi: 10.5007/2175-7941.2009v26n1p66

PHILIPPI JÚNIOR., A. et al. Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signus Editora, 2000.

QUINE, W. V. Structure and nature. The Journal of Philosophy, Charlottesville, v. 89, n. 1, p. 5-9, 1992. doi: 10.2307/2026889

SAUVÉ, L. Educación científica y educación ambiental: un cruce fecundo. Enseñanza de las Ciencias: Revista de Investigación y Experiencias Didácticas, Barcelona, v. 28, n. 1, p. 5-18, 2010.

SANTANA, O. A. Observação da prática docente: um método para Licenciatura. Olinda: Livro Rápido, 2014. doi: 10.12702/978-85-406-0942-6

SANTANA, O. A. Evasão nas Licenciaturas das universidades federais: entre a apetência e a competência. Educação, Santa Maria, v. 41, n. 2, p. 311-327, 2016a. doi: 10.5902/1984644420199

SANTANA, O. A. Resistência social na Caatinga árida: a narrativa de quem ficou no colapso ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 38, p. 419-438, 2016b. doi: 10.5380/dma.v38i0.43574

SANTANA, O. A.; PETROVA, Y. Ludicidade no ensino da normalidade em um ambiente florestal. Inter-Ação, Goiânia, v. 41, n. 3, p. 525-544, 2016. doi: 10.5216/ia.v41i3.41502

SANTANA, O. A.; PADILHA, M. A. S. Tutor EAD e o processo da tutoria na Universidade Aberta do Brasil. São Paulo: Blucher, 2017. doi: 10.5151/9788580393019

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2003.

STEIL, C. A.; CARVALHO, I. C. M. Epistemologias ecológicas: delimitando um conceito. Mana, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 163-183, 2014. doi: 10.1590/S0104-93132014000100006

SCARANO, F. R.; OLIVEIRA, P. E. A. M. Sobre a importância da criação de mestrados profissionais na área de ecologia e meio ambiente. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 2, n. 4, p. 90-96, 2005. doi: 10.21713/2358-2332.2005.v2.81

SILVA, J. A.; BIANCHI, M. L. P. Cientometria: a métrica da ciência. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 11, n. 21, p. 5-10, 2001. doi: 10.1590/S0103-863X2001000200002

SILVA, V. G.; ALMEIDA, P. C. A.; GATTI, B. A. Referentes e critérios para a ação docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 46, n. 160, p. 286-311, 2016. doi: 10.1590/198053143415

TAUBES, G. Measures for measure in science. Science, Washington, DC, v. 260, p. 884-886, 1993.

VEIGA, I. P. A.; KAPUZINIAK, C.; ARAÚJO, J. C. S. Docência: uma construção ético-profissional. Campinas: Papirus, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1443