Alfabetização científica e iniciação científica: da assimilação de conceitos ao comportamento científico

Rosemary Conceição dos Santos, Marisa Ramos Barbieri, Roberto Galetti Sanchez

Resumo


Este trabalho trata da promoção de alfabetização e iniciação científicas em alunos da rede básica de ensino, desenvolvidas por pós-graduandos de programas stricto sensu atuantes, desde 2012, na Casa da Ciência (Hemocentro de Ribeirão Preto), projeto integrante do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) em Células-Tronco e Terapia Celular no Câncer. Em dez encontros, após a apresentação de conteúdos científicos aos alunos, e esclarecimento dialogado de eventuais dúvidas, verifica-se, através de pesquisa qualitativa, a capacidade destes em identificar, e analisar, os temas apresentados. Em casos pontuais, o projeto ressalta peculiaridades docentes e discentes evidenciadas durante sua vigência, a saber: antecipar a prática de ensinar com ciência e tecnologia junto a futuros profissionais da educação superior e aprimorar as habilidades cognitivas refletidas no desempenho escolar discente, respectivamente.

Palavras-chave


Alfabetização Científica. Iniciação Científica. Assimilação de Conceitos. Comportamento Científico. Adolescentes. Casa da Ciência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, G. M. B. A peculiaridade do signo linguístico num vocabulário técnico-científico especializado. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE LÍNGUA FALADA E ENSINO, 1., 1995, Maceió. Anais... : Universidade Federal de Alagoas, 1995.

ANDRÉ, M. Pesquisa, formação e prática docente. In: ANDRÉ, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2001. p. 55-69.

ARRUDA, A. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 117, p. 127-149, 2002.

BLOOM, B. S. et al. Taxonomy of educational objectives. New York: David Mc-Kay, 1956. (Handbook I: Cognitive Domain).

BRASIL. Lei nº 11.502, de 11 de julho de 2007. Modifica as competências e a estrutura organizacional da fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes… Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 jul. 2007.

______. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 30 jan. 2009.

CABRÉ, M. T. Theories of terminology: their description, prescription and explanation. Terminology, Amsterdam, v. 9, n. 2, p. 163-200, 2003.

CHASSOT, A. Scientific literacy: a possibility for social inclusion. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 22, p. 89-100, 2003.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Chamada INCT – MCTI/ CNPq/Capes/FAPs nº 16/2014. Brasília, DF, 2014.

CONTRERAS, J. D. La autonomía del profesorado. Madrid: Morata, 1997.

DA SILVA, J. A. A fraude educacional brasileira. Ribeirão Preto: Funpec, 2009.

DA SILVA, J. A. Inteligência Humana: abordagens psicológicas e cognitivas. São Paulo: Lovise, 2003.

DE MEIS, L. Ciência e educação – O conflito humano-tecnológico. Rio de Janeiro: Ed. do Autor. 1998.

DEBOER. G. E. Scientific literacy: another look at its historical and contemporary

meanings and its relationship to science education reform. Journal of Research in

Science Teaching, Hoboken, v. 37, n. 6, p. 582-601, 2000.

DYER, H. S. Educational measurement – its nature and its problems. In: BERG, H. D. (Ed.). Evaluation in social studies. Thirty-fifth Yearbook of the National Council for the Social Studies. Washington, DC: National Education Association, 1965.

ECO, U. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FERREIRO, E. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1985.

HECK, T. G. et al. Iniciação científica no ensino médio: um modelo de aproximação da escola com a universidade por meio do método científico. RBPG, Brasília, DF, n. 2, v. 8, p. 447 - 465, 2012.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

HUBERMAN, M. The mind is its own place: the influence of sustained interactivity with practitioners on educational research. Harvard Educational Review, Cambridge, v.39, n. 3, p.289-318, 1999.

HURD, P. D. Scientific literacy: new minds for a changing world. Science Education, Hoboken, v. 82, n. 3, p. 407-416, 1998.

KATO, M. A. Alfabetização. In: Anais do Seminário Aprendizagem da Língua Materna: uma abordagem interdisciplinar. Brasília: Inep, 1984. p. 59-61.

KERLINGER, F. N. Foundations of Behavioral Research. New York: Holt, 1973.

KRAMER, S. Privação cultural e educação compensatória: uma análise crítica. Cadernos de pesquisa, São Paulo n. 42, p. 54-62, 1982.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LEMLE, M. A tarefa da alfabetização: etapas e problemas no português. Letras de Hoje, Porto Alegre, v.17, n. 4, p. 41-60, 1984.

LÜDKE, M. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: ANDRÉ, M. (Org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, 2001. p. 27-54.

MACIEL, A. M. B. Linguagens especializadas e terminologia. In: PERNA, C. L. (Org.). Linguagens especializadas em corpora: modos de dizer e interfaces de pesquisa [recurso eletrônico]. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2010.

MALUF, M. R. Alfabetização na pré-escola: conceitos e pré-conceitos. Teoria e Pesquisa, São Carlos, v. IX, n 26, p. 132-14, 1987.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2007.

MARTINS, I. Alfabetização científica: metáfora e perspectiva para o ensino de ciências. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 11, 2008, Curitiba. Anais… Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2008. Disponível em: < https://goo.gl/oR4jAc>. Acesso em: 30 maio 2017.

MILLER, J. D. Scientific literacy: a conceptual and empirical review. Daedalus, Cambridge, v. 112, n. 2, p. 29-48, 1983.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1975a.

______. Como se desarolla la mente del niño. In: PIAGET, J. et al. Los años postergados: la primera infancia. Paris: Unicef, 1975b.

______. Biologia e conhecimento. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.

______. Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A psicologia da criança. São Paulo: Difel, 1982.

RATCLIFFE, M.; GRACE, M. Science education for citizenship: teaching socio-scientific issues. Maidenhead: Open University Press, 2003.

ROCKEFELLER BROTHERS FUND. The pursuit of excellence: Education and the future of America. In:________. Prospect for America: report number V of the Rockefeller Panel Reports. Garden City, NY: Doubleday, 1958.

SHEN, B. S. P. Science literacy. American Scientist, New Haven, v. 63, n. 3, p. 265-268, 1975.

______. Science literacy and the public understanding of science. In: DAY, S. B. Communication of Scientific Information. Basel: S. Karger, 1975. p. 44-52.

SILVA, M. B. Leitura, ortografia e fonologia. São Paulo: Ática, 1981.

SOARES, M. B. As muitas faces da alfabetização. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 52, p. 19-24, 1985.

VIANNA, H. M. Testes em educação. São Paulo: Ibrasa, 1982




DOI: http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2017.v14.1472