A CAPES E SUAS SETE DÉCADAS trajetória da Pós-Graduação stricto sensu no Brasil

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este estudo teve como objetivo principal apresentar o panorama da pós-graduação nacional, modalidade stricto sensu, desde a criação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes aos dias atuais. Para isso, realizaram-se pesquisas em relatórios institucionais e de sistemas públicos, bem como recorreu-se a fontes bibliográficas, legislações específicas e à elaboração de estatísticas descritivas no que concerne à evolução da pós-graduação nacional. Como principais conclusões, destaca-se que a pós-graduação surgiu, sobretudo, da necessidade nacional de qualificação de pessoal para o atender às demandas dos empreendimentos públicos e privados que forneceriam as bases para o desenvolvimento do país. A trajetória da pós-graduação brasileira não se dissocia da criação da Capes e da condução de seus Coordenadores, em especial, Anísio Teixeira, seu fundador. Destaca-se o crescimento tanto do número de cursos oferecidos, como do quantitativo de matrículas e titulações da pós-graduação nacional, embora de maneira assimétrica em relação às regiões do país. Para pesquisas futuras, sugere-se realizar uma análise da evolução dos números da pós-graduação brasileira stricto sensu desde a sua origem, com base em evidências e acontecimentos históricos, no Plano Nacional de Pós-Graduação e na Estratégia Nacional de Desenvolvimento.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Thiago Luiz de Oliveira Cabral
Biografia
Fernanda Cristina da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina
Licenciada em Matemática pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre e doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da UFSC na linha de pesquisa Gestão Universitária. Estuda modelos preditivos de evasão. Atua há mais de dez anos na área educacional com projetos de ensino, pesquisa e extensão. Foi monitora, analista educacional, coordenadora de tutoria e monitoria em projetos de EAD em larga escala e gerente de operações EdTech.
Andressa Sasaki Vasques Pacheco, Universidade Federal de Santa Catarina
Professora do Departamento de Ciências da Administração da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC (2010). Mestre (2007) e Bacharel (2005) em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora do Programa de Pós-graduação em Administração e do Programa de Pós-graduação em Administração Universitária. Coordenadora do curso de especialização em Gestão Pública. Experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão Universitária. Educação a distância e Administração de Materiais, atuando principalmente nos seguintes temas: evasão, egressos, avaliação, empreendedorismo, estoques e compras. Participante dos grupos de pesquisa INPEAU - Instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária e NEOGAP - Núcleo Estudos e Observação de Gestão, Aprendizagem e Pessoas.
Pedro Antônio de Melo, Universidade Federal de Santa Catarina
Doutor em Engenharia de Produção e Sistemas e Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina. Possui graduação em Letras - Português e Literatura Brasileira - UFSC; Especialista em Recursos Humanos pela UFSC, e em Gestão Universitária pelo CRUB - Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras em parceria com a OUI - Organização Universitária Interamericana (2004), Canadá. Pós-doutorado em Educação Superior, pelo Instituto Internacional para a Educação Superior na América Latina e o Caribe - IESALC, da Unesco. Doutor Honoris Causa, pela Honorable Academia Mundial de Educación - HAME (2012). É professor da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina, no Departamento de Ciências da Administração - CAD, onde leciona disciplinas relacionadas ao Empreendedorismo. Nos Programas de Pós-Graduação em Administração - CPGA e Administração Universitária - PPGAU, ministra disciplinas e desenvolve pesquisas relacionadas a Gestão Universitária. Foi Coordenador do Mestrado Profissional em Administração Universitária (2010 - 2016). É Diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária – INPEAU e Chefe do Departamento de Ciências da Administração da UFSC. Membro da Organização Universitária Interamericana - OUI, Canadá, e Coordenador do Instituto de Gestão e Liderança Universitária - IGLU, Região Brasil.
Referências

BALBACHEVSKY, Elizabeth. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem- sucedida. In: Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. E-book.
BRASIL. Parecer no 977/65. Define os cursos de pós-graduação. 3 dez. 1965. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Parecer_CESU_977_1965.pdf. Acesso em: 10 jun. 2019.
CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Capes, 50 anos : depoimentos ao CPDOC-FGV. Rio de Janeiro : FGV ; Brasília, DF : CAPES: [s. n.], 2002. E-book.
CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2005-2010. Brasília: CAPES, 2004. E-book.
CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação ( PNPG ) 2011-2020. Brasília: CAPES, 2010. v. 1E-book.
CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Resultado da Avaliação Quadrienal 2017. [s. l.], 2017. Disponível em: http://avaliacaoquadrienal.capes.gov.br/resultado-da-avaliacao-quadrienal-2017-2.
CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. GeoCAPES. [s. l.], [s. d.]. Disponível em: https://geocapes.capes.gov.br/geocapes/. Acesso em: 11 abr. 2020.
GOUVÊA, Fernando César Ferreira. A institucionalização da pós-graduação no Brasil: o primeiro decênio da Capes (1951-1961). Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 9, n. 17, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2012.v9.312. Acesso em: 17 abr. 2020.
GOUVÊA, Fernando; MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos. A contribuição de Anísio Teixeira para a institucionalização da Pós-graduação no Brasil: um percurso com os boletins da CAPES. [S. l.], v. 24, n. 1, p. 22, 2006.
HORTA, José Silvério Baía; MORAES, Maria Célia Marcondes de. O sistema CAPES de avaliação da pós-graduação: da área de educação à grande área de ciências humanas. Revista Brasileira de Educação, [S. l.], n. 30, p. 95–116, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782005000300008
HOSTINS, Regina Célia Linhares. Os Planos Nacionais de Pós-graduação (PNPG) e suas repercussões na Pós-graduação brasileira. [S. l.], v. 24, n. 1, p. 133–160, 2006.
MEC, Ministério da Educação. Qual a diferença entre pós-graduação lato sensu e stricto sensu?. [s. l.], 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=13072:qual-a-diferenca-entre-pos-graduacao-lato-sensu-e-stricto-sensu. Acesso em: 10 jun. 2019.
MENDONÇA, Ana Waleska Pollo Campos. A pós-graduação como estratégia de reconstrução da Universidade Brasileira. Educar em Revista, [S. l.], n. 21, p. 289–308, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-4060.296
MORAES, Mário César Barreto. 503 dúvidas para você tirar sobre a educação superior no Brasil. Florianópolis: Nanquim, 2016. E-book.
NUNES, Clarice. Anísio Teixeira entre nós: a defesa da educação como direito de todos. Educação & Sociedade, [S. l.], v. 21, n. 73, p. 9–40, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302000000400002
SOUSA, Eliane Ferreira de. O Discurso da Capes para a Avaliação dos Programas de Pós-Graduação: da (Des)fragmentação à Comunicação em Rede. 2008. [s. l.], 2008.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

CABRAL, T. L. DE O.; SILVA, F. C. DA; PACHECO, A. S. V.; MELO, P. A. DE. A CAPES E SUAS SETE DÉCADAS. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 16, n. 36, p. 1-22, 29 out. 2020.

Seção

Artigo

Publicado:

Out 29, 2020
Palavras-chave:

Pós-graduação stricto sensu, Gestão Universitária, Capes

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.