POR UMA GÊNESE DO GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO INTERCULTURAL (GPEI) itinerários epistêmicos descolonizadores

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este ensaio autobiográfico, tem por objetivo resgatar, sistematizar e refletir desde o que a memória permite, sobre um itinerário que acabou constituindo e forjando a consolidação de um grupo de pesquisa no interior de uma universidade de cunho comunitário. Lança-se mão de um modo de escrita que se movimenta por entre a valorização da subjetividade e das relações que foram se estabelecendo no processo. A escrita autobiográfica é compreendida como o exercício de descrever dinâmicas interiores, explorando e reconhecendo na subjetividade o potencial criativo e, portanto, valoriza-se um itinerário que é construído no ato mesmo da experiência, nesse sentido ele é mais instituinte do que instituído. Ganha relevância a perspectiva da descolonização do pensamento (e das subjetividades), como uma prática que impulsiona ao encontro consigo mesmo (autobiográfico) e abre-se para o com quem e o onde se está (geoepistêmico). O ensaio destaca o reconhecimento da existencialidade como elemento fundante do trabalho coletivo e a horizontalidade como estratégia de construção de pertencimentos identitários. Enfatiza a sensibilidade e a abertura como dinâmicas que possibilitam o abrir-se para modos outros de conhecer e produzir conhecimentos, podendo e devendo ser experimentados no cotidiano, arena em que revela potencialmente a existencialidade.  

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Gilberto Ferreira da Silva, Universidade La Salle
Doutor em Educação. Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-graduação em Educação da Unviersidade La Salle. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Intercultural (GPEI). Coordenador da Linha de Pesquisa Formação de Professores, teorias e práticas educativas. Pesquisador do CNPq 2.
Referências

ALVES, André Luciano. Formação continuada de professores e prática docente: a pesquisa-ação como experiência formadora. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2019.
CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. 1ª. Ed. Lisboa: Editora Sá da Costa, 1978. Disponível em: https://escrevivencia.files.wordpress.com/2014/03/aimc3a9-cc3a9saire-discurso-sobre-o-colonialismo.pdf Acesso em: 13/06/2020.
COSTA, Francisco José. SOUSA, Socorro Cláudia Tavares de. SILVA, Anielson Barbosa. Um modelo para o processo de orientação na pós-graduação. Revista Brasileira de Pós-graduação, Brasília, v. 11, n. 25, p. 823 - 852, setembro de 2014. Disponível em: http://ojs.rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/638/pdf acesso em 11/06/2020.Acesso: 12 de jun. de 2020.
CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch`ixinakax utxiwa: uma reflexión sobre practicas y discursos descolonizadores. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010. p. 53-76. Disponível em: < https://chixinakax.files.wordpress.com/2010/07/silvia-rivera-cusicanqui.pdf> Acesso em: 12/06/2020.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro , v. 17, n. 51, p. 523-536, Dec. 2012. https://doi.org/10.1590/S1413-24782012000300002. Acesso em: 10/06/2020 .
ESCOBAR, Arturo. Mundos y conocimientos de otro modo. El programa de investigación de modernidad/colonialidad latino-americano. Tabula Rasa, núm. 1, enero-diciembre, 2003, pp. 51-86. Universidad Colegio Mayor de Cundinamarca Bogotá, Colombia. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=39600104> Acesso em: 03/06/2020.
FALS BORDA, Orlando; MORA-OSEJA, Luis Eduardo. La superación del eurocentrismo. Enriquecimiento del saber sistémico y endógeno sobre nuestro contexto tropical. Bogotá: Editora Guadalupe, 2002. Disponível em: < http://www.es.lapluma.net/images/stories/documents_periodicos_app/La_Superaci%C3%B3n_del_Eu__%20rocentrismo.pdf> Acesso em: 09/06/2020.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. Disponível em: http://kilombagem.org/wordpress/wp-content/uploads/2015/07/Os_condenados_da_Terra-Frantz-Fanon.pdf acesso em: 21/04/2020
FUCHS, Henri Luis. A formação docente a partir de currículos decoloniais: análise de experiências instituintes em cursos de pedagogia na Abya Yala. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2019.
GONZALES, Tirso. Kawsay (Buen Vivir) y afirmación cultural: Pratec-Naca, un paradigma alternativo en los Andes. In: PIMENTEL, Boris Marañón (org.). Buen vivir y descolonialidad: crítica al desarrollo y la racionalidad instrumentales 1ª. ed. México: UNAM, 2014. p. 121- 139. Disponível em: < http://www.pidesoneuba.com/sites/default/files/BuenVivirDescolonialidad.pdf> Acesso em: 12/06/2020.
GUERRERO ARIAS, Patricio. Corazonar. Una antropología comprometida con la vida. Miradas otras desde abya-yala para la decolonización del poder, del saber y del ser. Quito: Abya Yala, 2010.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação. Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
KUSCH, Rodolfo. América Profunda. Buenos Ayres. Editorial Biblos, 1999.
MATO, Daniel. No “estudiar al subalterno”, sino estudiar com grupos sociales “subalternos” o, al menos, estudiar articulaciones hegemônica del poder. Desafíos, Bogotá/Colômbia (26-1) p. 237-264. 2014. Disponível em: < file:///C:/Users/Ferreira/Downloads/3210-11124-1-PB.pdf> acesso em: 06/06/2020.
MEJIA NAVARRETE, Julio. Epistemología de la investigación social em América Latina. Desarrollos en el siglo XXI. Cinta de Moebio, no. 31, marzo, 2008. p. 1-13. Disponível em: acesso em: 11/03/2020.
MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de Retrato do colonizador. (Trad. Marcelo Jacques de Moraes). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
MENDES, Pablo Eugênio. Epistemologia outra e educação intercultural como alternativa descolonial. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2017.
MEINHARDT, Moana. Na contramão da lógica disciplinar: revisitando o ensino de graduação desde a vivência da pesquisa-ação sob a perspectiva da interdisciplinaridade. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2018.
MERINO, Leonor. Lao Tsé y Abdelquébir Khatibi, articulación intertextual de um antisistema para crear um “ser” nuevo. Contextos, XIII, 25-26, 1995. Pp. 207-221. Disponível em: < file:///C:/Users/Ferreira/Downloads/Dialnet-LaoTseYAbdelkebirKhatibiArticulacionIntertextualDe-98024%20(3).pdf> Acesso em: 04/05/2020.
MIGNOLO, Walter D. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em Política. Cadernos de Letras da UFF. Nº 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: http://www.uff.br/cadernosdeletrasuff/34/artigo18.pdf. Acesso em: 03/06/2020.
MIGNOLO, Walter D. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. p. 25-45. Disponível em: < http://www.unsa.edu.ar/histocat/hamoderna/grosfoguelcastrogomez.pdf > Acesso em: 03/06/2020.
MIGNOLO, Walter.La idea de America Latina (la derecha, la izquierda y la opción decolonial). CyE, Ano 1, n. 2, Primer Semestre de 2009. pp. 251-276. Disponível em: < http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/secret/CyE/CyE2/09idea.pdf> Acesso em: 04/06/2020.
MUNSBERG, Jõao Alberto Steffen. Por uma proposta pedagógica na perspectiva da educação intercultural decolonizadora. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2020.
POMA DE AYALA, Felipe Guaman. Nueva coronica y el buen gobierno. Disponível em: < http://www.biblioteca.org.ar/libros/211687.pdf> Acesso em: 08/04/2020.
PRETO, Fernanda Fontes. Formação de professores, interculturalidade e educação indÍgena: contribuições descoloniais no espaço da escola regular. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2017.
QUIJANO, Aníbal (1993) Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. En: Edgardo Lander (comp.): La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 1993. p. 201-246. Disponível em: http://www.clacso.org/wwwclacso/espanol/html/libros/lander/10.pdf; acesso em: 04/06/2020.
QUIJANO, Aníbal. “Bien vivir”: entre el “desarrollo” y la des/colonialidad del poder. VIENTO SUR Número 122/Mayo 2012. p.46-56. Disponível em: < https://www.vientosur.info/IMG/pdf/VS122_A_Quijano_Bienvivir---.pdf> Acesso em: 22/05/2020.
QUIJANO, Aníbal. “Bien Vivir”: entre el desarrollo y la des/colonialidad del poder. In: QUIJANO, Aníbal (Ed.). (Des) colonialidad y bien vivir. Um nuevo debate em América Latina. Perú: Editorial Universitária, 2014. pp. 19-33. Disponível em < http://biblioteca.clacso.edu.ar/gsdl/collect/clacso/index/assoc/D9666.dir/eje3-10.pdf > Acesso em 04/06/2020.
QUIJANO, Anibal. Colonialidad, poder, globalización e democracia. Novos Rumos, Ano 17, nº 37, p. 4-28. 2002. Disponível em: < http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/view/2192/1812> Accesso em: 03/06/2020.
ROSA, Carolina Schenatto da. Toda a idade é certa se a educação é ao longo da vida: horizontes de(s)coloniais para política de educação de jovens e adultos. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade La Salle, 2017.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Una epistemología del sur: la reinvención del conocimiento y la emancipación. México: Siglo XXI-CLACSO, 2009.
SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo; Editora Cortez. 2010.
SANTOS, Boaventura de Souza. Para além do pensamento abissal. Das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Novos Estudos, no. 79, novembro de 2007. p. 71-94. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/nec/n79/04.pdf> Acesso em: 09/06/2020.
SILVA, Gilberto Ferreira da. Do multiculturalismo à educação intercultural: estudo dos processos identitários de jovens da escola pública na região metropolitana de Porto Alegre. Tese. (Programa de Pós-graduação em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS. Porto Alegre, 2001. 385p.
SILVA, Gilberto Ferreira da. Interculturalidade e formação de professores na América Latina: programas, avanços e perspectivas desde Brasil, Chile, Argentina e Colômbia. Projeto de Pesquisa. CNPq/Universidade La Salle-Canoas (2016-2018). 34p.
SILVA, Gilberto Ferreira da; MACHADO, Juliana Aquino. Saberes em diálogo: a construção de um programa de formação docente em uma rede municipal de ensino. Revista Iberoamericana de Educación / Revista Ibero-americana de Educação. Vol. 77, núm. 2, 2018. pp. 95-114. Disponível em: https://rieoei.org/RIE/article/view/3161/3978 acesso em: 17/05/2020.
SILVA, Gilberto Ferreira da; MACHADO, Juliana Aquino. “Saberes em Diálogo”, um programa de formação continuada em rede: Universidade e Educação Básica. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 28(68), 2020. Disponível em: http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/4937. Acesso em: 12/06/2020.
WALSH, Catherine. Interculturalidad, conocimientos y decolonialidad. Signo y Pensamiento. Nº 46, v. XXIV, enero-junio, 2005. p. 39-50. Disponível em: < http://revistas.javeriana.edu.co/index.php/signoypensamiento/article/viewFile/4663/3641> Acesso em: 03/06/2020.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SILVA, G. F. DA. POR UMA GÊNESE DO GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO INTERCULTURAL (GPEI) . Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 16, n. 36, p. 1-22, 2 nov. 2020.

Seção

Experiências

Publicado:

Nov 2, 2020
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.