O DESAFIO DE COMUNICAR MÁS NOTÍCIAS NOS CUIDADOS PALIATIVOS ONCOLÓGICOS perspectiva dos trabalhadores

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O trabalho teve como objetivo compreender o entendimento de uma equipe interdisciplinar de saúde que atua em uma unidade de Cuidados Paliativos Oncológicos (CPO) acerca dos desafios para comunicação de más notícias a pessoas vivendo com câncer em estágio avançado e seus familiares, bem como conhecer as propostas citadas por eles para melhorar esta comunicação. Trata-se de uma pesquisa exploratória de campo com abordagem qualitativa, realizada entre junho de 2019 a janeiro de 2020, com entrevistas semiestruturadas. Os dados foram processados segundo a hermenêutica dialética de Minayo. Através da leitura do material foi identificada duas unidades temáticas que foram descritas e agrupadas da seguinte forma: 1) Entendimento dos entrevistados sobre os desafios para a comunicação de más notícias no âmbito dos CPO; 2) Sugestões para melhorar o processo de comunicação de más notícias. A pesquisa mostra a importância da oferta, implementação e fortalecimento da Educação Permanente em Saúde no ambiente de trabalho como forma de instrumentalizar o profissional a comunicar más notícias melhorando assim a qualidade do trabalho oferecido e maior satisfação dos envolvidos no processo desta comunicação.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Endi Evelin Ferraz Kirby
  • Ivi Evelin Ferraz de Souza Jung
  • Ana Paula Alves Gregório
  • Luciene Miguel Lima Neves
  • Mônica Villela Gouvêa
Biografia
Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Ed. rev. e atual. Edições 70: Lisboa, 2009.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE. DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? 1. ed. rev ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO. COMISSÃO INTERGESTORES TIPARTIDE. Resolução nº 41, de 31 de outubro de 2018 - Imprensa Nacional. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS). 2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/51520746/do1-2018-11-23-resolucao-n-41-de-31-de-outubro-de-2018-51520710 . Acesso em: 25 jun. 2020.
CAROTTA, F.; KAWAMURA, D.; SALAZAR, J. Educação permanente em saúde: uma estratégia de gestão para pensar, refletir e construir práticas educativas e processos de trabalhos. Saúde e sociedade, v. 18, n. supl 1, p. 48–51, 2009.
CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832005000100013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 25 jun. 2020.
DICIONÁRIO Brasileiro da Língua Portuguesa Michaelis. Editoria Melhoramentos. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/desafio. Acesso em: 25 jun. 2020.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 62. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.
_________. Pedagogia do Compromisso: América Latina e Educação Popular. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.
INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2019.
__________. Cuidados paliativos: INCA: Instituto Nacional de Câncer. 2020. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-do-colo-do-utero/acoes-de-controle/cuidados-paliativos. Acessado em: 25 jun. 2020.
KOVÁCS, M. J. Cuidados Paliativos: Discutindo a vida, a morte e o morrer. in Educação para a morte. São Paulo: Atheneu, 2009, p.46 – 48.
__________. Comunicação nos programas de cuidados paliativos: uma abordagem multidisciplinar. in Humanização e Cuidados Paliativos. 6ª ed. São Paulo: Loyola, 2014, p.284
KRIEGER, Mabel Viana. Comunicação de más notícias em saúde: contribuições à discussão bioética através de uma nova ética das virtudes. 2017. 106 f. Dissertação (Mestrado em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2017.
KÜBLER-ROSS, E. A morte: um amanhecer. 1. ed., 11ª reimpr. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.
MERHY, E. E. A Perda da Dimensão Cuidadora na Produção da Saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte. Reescrevendo o Público. Xamã: São Paulo, 1998
MINAYO, M. C. Pesquisa Social. 21. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.
PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.
PESSINI, L. Distanásia: até quando prolongar a vida? Ed. Centro Universitário São Camilo. São Paulo: Loyola, 2001.
__________. Humanização da dor e do sofrimento humanos na área da saúde. in Humanização e Cuidados Paliativos. 6ª ed. São Paulo. Loyola, 2014, p.11
RIBEIRO, E. Tanatologia: Vida e finitude. Rio de Janeiro: UnATI - UERJ, 2008.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

FERRAZ KIRBY, E. E.; EVELIN FERRAZ DE SOUZA JUNG, I.; ALVES GREGÓRIO, A. P.; MIGUEL LIMA NEVES, L.; VILLELA GOUVÊA, M. O DESAFIO DE COMUNICAR MÁS NOTÍCIAS NOS CUIDADOS PALIATIVOS ONCOLÓGICOS . Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 16, n. 36, p. 1-17, 2 nov. 2020.

Seção

Estudos

Publicado:

Nov 2, 2020
Palavras-chave:

Comunicação de más notícias. Cuidados Paliativos. Educação Permanente.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.